Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

logo-radio-cdt
No comando: Programação Musical

Das 00:00 as 19:59

logo-c-d-t
No comando: Programa Conversas de Terreiro

Das 20:00 as 21:00

logo-c-d-t
No comando: Programa Conversas de Terreiro

Das 20:00 as 21:00

Vivência Espírita
No comando: Programa Vivência Espírita

Das 21:01 as 23:00

batuque
No comando: Rezas de Orixás do Batuque Gaúcho

Das 21:01 as 23:59

bandeira-rs
No comando: O Melhor da Música Gaúcha

Das 21:01 as 23:59

logo-radio-cdt
No comando: Programação Musical

Das 23:01 as 23:59

Tronqueira: por que devemos saudar?

Compartilhe:
tronqueira-696x529

Tronqueira deve ser saudada quando chegamos a qualquer Terreiro?

Qual a origem do fundamento de Exu estar na tronqueira (ou porteira)?

A tronqueira é um recurso da Umbanda que funciona como anteparo a seres com energias negativas.

No Terreiro, funciona como um ponto de força onde está firmado (ativado) o poder dos guardiões que atuam em dimensões à nossa Esquerda.

O ponto de força funciona como um para-raios: é um portal que impede as forças hostis de se servirem do ambiente religioso.

Há um mito que explica sua origem.

Uma história Nagô conta que havia um grande comerciante de bom caráter que muito ajudava a comunidade.

Ele era justo e até doava as sobras de quiabo e inhame aos que não tinham dinheiro para pagar.

Por seu sucesso, era invejado por muitos dos seus pares, que rogavam à Morte e à Doença que batessem em sua porta.

Ao saber disso, esse grande sábio consultou um Babalaô – Oráculo de Orunmilá.

Queria saber o que fazer para afastar um possível mal à sua integridade física.

O Senhor do Destino, aquele que tudo viu e vê, confirmou que ele seria atacado pela doença e pela morte.

Que seus inimigos estariam, pela inveja e mau olhar, liberando os Ajoguns, forças espirituais destrutivas, que bateriam à sua porta.

Para manter-se equilibrado e protegido contra estas forças, ele deveria realizar uma determinada reza com uma oferenda para Exu, na entrada de
frente da sua casa e outra também na entrada dos fundos, que deveriam ser renovadas periodicamente.

Assim o fez, conforme orientado pelo Babalaô.

Passados alguns dias, a doença foi à casa do comerciante e, ao chegar na porta de entrada, deparou-se com Exu.

A doença disse: “Me dê licença Exu, pois quero entrar”.

Exu, que havia sido invocado e recebido as oferendas do comerciante, disse à doença que não permitiria a sua entrada; ela que desse meia volta e seguisse o seu caminho.

A doença, no entanto, não se deu por contente e se une a morte e tentam entrar pela porta dos fundos.

Mas lá também estava Exu, que não deixou ambos entrarem, dizendo-lhes que o destino do comerciante não previa ele voltar para Orun naquele momento e que ele teria
vida longa e próspera, isso se mantivesse o seu caráter intacto como vinha fazendo.

Desde este dia, Exu está na tronqueira (porteira) dos Terreiros, evitando que coisas negativas entrem.

Além do mito, é importante salientar que a tronqueira é um anteparo, uma proteção.

É ela que guarda e protege todo o trabalho de Umbanda ali realizado, assim como os médiuns e a assistência.

A tronqueira contém os guardiões que dão sustentação para que a Umbanda se realize.

Mas não há como negar que “o mito fundamenta o rito”.

Conhece outra origem, outro mito? Conte pra nós!

Deixe seu comentário: