Preencha os campos abaixo para submeter seu pedido de música:

logo-radio-cdt
No comando: Programação Musical

Das 00:00 as 19:59

logo-c-d-t
No comando: Programa Conversas de Terreiro

Das 20:00 as 21:00

logo-c-d-t
No comando: Programa Conversas de Terreiro

Das 20:00 as 21:00

Vivência Espírita
No comando: Programa Vivência Espírita

Das 21:01 as 23:00

batuque
No comando: Rezas de Orixás do Batuque Gaúcho

Das 21:01 as 23:59

bandeira-rs
No comando: O Melhor da Música Gaúcha

Das 21:01 as 23:59

logo-radio-cdt
No comando: Programação Musical

Das 23:01 as 23:59

Diretora de escola que proibiu trabalho sobre Pombagira é denunciada

Compartilhe:
pombagira

Diretora de escola particular de Ananindeua, no Pará, foi gravada por alunos proibindo o trabalho sobre Pombagira.

O caso ocorreu em 2016 e agora, em agosto de 2017, o Ministério Público do Estado protocolou, na 3º Vara Criminal de Ananindeua, a denúncia contra a diretora do Centro de Educação Trindade, Ana Trindade, envolvida em caso de intolerância religiosa.

Na ocasião, a diretora de escola vetou a apresentação de um trabalho que falava sobre Pombagira, entidade que se manifesta em religiões de matriz africana.

Em novembro do ano passado, um vídeo feito por alunos registrou a discussão com a diretora de escola.

No vídeo abaixo, ela repreende o tema escolhido pelos alunos.

“Pombagira? Credo! Sangue de Jesus”, diz Ana Trindade, também dona do colégio.

“A senhora tem de respeitar outras religiões”, retruca o aluno Gabriel Ferreira, que propôs o tema.

“Não, eu não sou obrigada a entender as outras religiões. Eu não quero e acabou!”, diz.

No vídeo, a diretora diz que a escola tem princípios cristãos.

“Eu tenho que dizer pra vocês: aqui dentro da minha escola vai funcionar, vai se realizar e vai se apresentar o que eu achar que é de Deus. Nada de Pombagira aqui dentro”, declara Ana Trindade.

“Mas a Pombagira Cigana é uma lenda cultural. A senhora respeite”, argumenta Gabriel.

A denúncia contra Ana Trindade foi instaurada após a solicitação encaminhada pela Comissão de Direito e Defesa da Liberdade Religiosa da OAB-PA.

O presidente da Comissão, Emerson Lima, relembra que na época do ocorrido a comissão atuou de forma incisiva após o conhecimento do caso e entrou imediatamente com uma representação criminal para que o Ministério Público apurasse os fatos.

“A denúncia contra esta diretora de escola não é só uma vitória da comissão, mas da democracia e da pluralidade de expressões religiosas”, afirmou.

Ele também disse que a seccional paraense continuará acompanhando o prosseguimento do processo e aguardará a punição da suspeita.

Se você é ou foi vítima de algum tipo de intolerância, use o Disque 100.

Fonte: g1.globo.com

Deixe seu comentário: